Blog de Criação de Roteiros
Publicado em por Courtney Meznarich

Um dia na vida de um coordenador de roteiro

Você fará muitas paradas durante sua jornada para se tornar um roteirista de televisão, principalmente para assumir trabalhos adjacentes à redação primeiramente. Esses trabalhos continuam sendo cruciais para a criação de uma série de TV, mas você raramente ouve falar deles. Um trabalho essencial em uma série de televisão é o de coordenador de roteiro — e, se for bom nessa função, você é necessário nesta era de ouro da TV.

Você terá dificuldade para encontrar muitas informações online sobre as funções de um coordenador de roteiro, muito menos uma entrevista com um profissional da área. Eles não costumam receber os louros. Mas, depois de ouvir o que o coordenador de roteiro Marc Gaffen tem a dizer sobre suas tarefas profissionais, você se perguntará por que eles não são reconhecidos! Não sei como qualquer série de TV poderia dar certo sem eles.

Reserve seu lugar na fila, roteirista! Estamos mais próximos de lançar o Software de Roteiro SoCreate para um número limitado de testadores beta. sem sair da página.

O trabalho do coordenador de roteiro é gerenciar rascunhos de roteiro, garantir que todas as alterações sejam incorporadas, distribuir roteiros para quem precisa vê-los e manter a continuidade entre os episódios e temporadas. Mas essa definição é provavelmente uma simplificação exagerada.

Marc passou as últimas duas décadas trabalhando em séries, incluindo “Lost”, “Grimm”, “New Amsterdam” e outras. Queríamos saber: como é um dia na vida dele?

A resposta? Bem, depende do dia.

Como é a programação de um coordenador de roteiro?

Não existe uma programação típica quando se trata de escrita ou produção de TV. Nosso dia normal tem cerca de 12 horas.

Há um velho ditado na indústria cinematográfica: “Você é pago para esperar e trabalha para se divertir”, pois grande parte do negócio trata de esperar que os roteiros aconteçam, que as filmagens aconteçam, que os atores cheguem, que os efeitos especiais e efeitos físicos estejam prontos para fazer as acrobacias. Então, há muita espera.

Não dá para definir uma programação referente a quanto tempo um escritor escreve ou quanto tempo leva para a inspiração acontecer. Você está lá esperando para fazer as coisas assim que receber um roteiro. Então, geralmente leva cerca de duas a três horas para percorrer o roteiro e ter certeza, você sabe, verificar a continuidade, verificar a ortografia e gramática, verificar se a história faz sentido. Talvez o escritor tenha uma ideia, e essa ideia não está sendo transmitida de maneira adequada ou clara o suficiente, então, você diz ao escritor: “Sabe, você queria que Bob entrasse na sala e conhecesse Melissa, mas parece que Bob está em uma sala e Melissa está em outra sala, e eles nunca realmente se encontram.” Você diz ao escritor: “Você precisa simplificar um pouco mais para garantir que suas ideias sejam transmitidas da melhor maneira possível”.

Já recebi roteiros às 10 horas da noite, às 2 horas da manhã, às 10 horas da manhã. Tudo depende de quando algo é filmado e você tem que trabalhar nisso. Se algo for gravado no dia seguinte, não importa a hora que recebê-lo, você deverá largar tudo e trabalhar nisso. Se algo for apenas um rascunho que vai para o estúdio ou à rede, ou para outros escritores, você tem alguma margem de manobra. Então, você normalmente pode se encarregar disso no próximo dia útil ou no dia útil atual em que estiver.

Você está de plantão 24 horas por dia, sete dias por semana — e principalmente na TV, porque você não está apenas trabalhando em um episódio.

Coordenador de roteiro Marc Gaffen (MG)

A função do coordenador de roteiro é sempre a mesma?

O trabalho do coordenador de roteiro muda a cada série porque cada série é diferente.

MG

Três elementos principais vão mudar a cada série e também alterarão o trabalho do coordenador de roteiro junto com eles: a duração da série, o tipo de sala dos escritores e o tema da série.

Duração da série

Tipo, neste momento, estou trabalhando em uma série médica que tem 22 episódios… mas muitas séries agora estão com oito, dez, doze episódios. Também estou em muitas séries da HBO, como “Here and Now” ou “Mare of Easttown”, e essas séries meio que têm uma programação diferente em comparação com séries de redes de TV ou outras séries comuns. Elas fazem o showrunner e os escritores criarem as histórias, e escrevem os roteiros ao mesmo tempo em um bloco. Assim que todos os roteiros estão prontos, e o bloco está concluído, eles vão e filmam todos os episódios de uma vez em um só bloco, o que permite o “cross-board”, o que significa que eles podem gravar episódios diferentes no mesmo local, o que economiza dinheiro.

E é aí que o coordenador de roteiro entra em cena, para basicamente ficar no comando do roteiro e ser o braço direito do showrunner quando você está filmando, porque é quando muitas mudanças precisam acontecer por causa da produção, locais ou outros problemas. A COVID foi um grande problema em que tivemos que manter vários rascunhos e revisões durante aquele período para ter certeza de que filmávamos adequadamente.

Um coordenador de roteiro normalmente trabalha durante todo o processo de filmagem, enquanto o assistente do escritor basicamente trabalha durante o processo de desenvolvimento, mas depois deixa a série durante o processo de produção.

Então, a forma como a sala dos roteiristas funciona [para “New Amsterdam”] é a seguinte: quando alguém está criando um episódio, outra pessoa está na pré-produção de um episódio. E a pré-produção de um episódio normalmente leva sete dias de preparação, e você tem oito dias de filmagem e cerca de duas a três semanas de pós-produção. Esse é o cronograma normal.

Em um dia, a série está enviando uma área de história, que geralmente consiste em uma sinopse de duas páginas de como o roteiro será aprovado pela rede do estúdio. Ao mesmo tempo, você está fazendo outro episódio que está em um esboço. E, então, geralmente há um terceiro episódio que está em outra versão de esboço. Ao mesmo tempo, você tem um roteiro que está no rascunho do primeiro escritor. Simultaneamente, você tem outro roteiro que está sendo filmado e dois outros roteiros que estão em pós-produção. Portanto, você basicamente tem de oito a dez roteiros, todos ao mesmo tempo, em diferentes rascunhos que deve acompanhar.

Ao mesmo tempo que isso está acontecendo, você tem diferentes revisões dos roteiros que estão sendo filmados. Portanto, as diferentes revisões são geralmente branco, azul, rosa, amarelo, verde. Essas revisões são coloridas para que as pessoas possam diferenciá-las… Então, é muita coisa para equilibrar. Se ninguém estiver fazendo esse malabarismo, faltam páginas, faltam elementos, a continuidade fica bagunçada, porque talvez um objeto importante em um episódio, onde alguém tinha uma mochila com uma bomba, de repente, por problemas de produção, essa mochila com uma bomba se torna uma mala com uma bomba. E você tem que ter certeza de que a continuidade faz sentido. Agora, isso parece uma coisa pequena, mas às vezes, essa questão passa batido pelas pessoas porque elas não estão realmente prestando atenção.

Então, meu trabalho como coordenador de roteiro é garantir que todos os itens do roteiro estejam alinhados — tudo o que está sendo filmado e também o que está em pré-produção, e também tudo o que está em desenvolvimento.

MG

Tipo de sala dos escritores

[Em “New Amsterdam”], a forma como a sala dos roteiristas funciona é que eles colaboram em cada roteiro, então, todos os roteiristas trabalham juntos. Dessa forma, basicamente, eles enviam as cenas, e eu compilo todas elas em um roteiro que tem começo, meio e fim.

Outras séries, como “Grimm”, são mais centradas em um único escritor. O escritor faz o pitch de uma ideia aos produtores. Os produtores aprovam e trabalham nela. E esse escritor sai por cerca de duas semanas, duas semanas se tiver sorte, para escrever o roteiro. E, então, ele me envia quando finaliza. Depois, eu trabalho com os produtores para editá-lo e mantê-lo em movimento durante o processo de filmagem.

MG

Tema da série

Em “New Amsterdam”, como se trata de uma série médica básica, não há muita mitologia ou continuidade para acompanhar além dos personagens.

Porém, em séries como “Grimm”, há uma alta dose de mitologia. Também trabalhei em uma série chamada “The Event”, que era muito parecida com “Lost”, repleta de mitologia, com linhas do tempo diferentes. Para uma série como “The Event” ou “Grimm”, eu estava mais envolvido criando planilhas do Excel para acompanhar todos os monstros que usamos em “Grimm” e ter certeza de que a língua estrangeira que criamos fazia sentido.

Na série “The Event”, que era muito densa em linhas do tempo, criei uma linha do tempo em uma planilha do Excel dos anos que usamos, dos dias que usamos, porque são muitos flashbacks, então, você deve ter certeza de que, se uma pessoa voltar a 5 de agosto de 1995, nós ainda não tenhamos usado essa data para aquela pessoa, ou para não acontecer de uma pessoa estar na Rússia quando deveria estar nos Estados Unidos, o que realmente não bate.

Essas duas séries são densas em mitologia e mais trabalhosas para coordenar o roteiro.

MG

De quais habilidades um coordenador de roteiro precisa?

É engraçado porque nunca fui uma pessoa detalhista na juventude. Isso foi algo que aprendi no trabalho.

A habilidade básica para qualquer pessoa na sala dos escritores ou neste negócio é que ele é um negócio baseado na personalidade. Você deve ser capaz de se relacionar bem com as pessoas com quem trabalha e ter a confiança das pessoas com quem trabalha. É tudo baseado na personalidade.

E simplesmente ser capaz de ver como tudo se une como um todo. Se estou lendo um roteiro e vejo que o personagem tem um adereço e vai correr e pular e dizer um determinado diálogo, preciso entender corretamente como tudo isso será implementado na produção, para que possa lidar com os espaços, lidar com a continuidade, dizendo: “Ah, bem, essa pessoa vai pular do prédio A para o prédio B, então, na próxima cena, quando ela estiver no prédio B, é preciso haver alguma continuidade para ter certeza de que tudo pareça ser o mesmo lugar ou a mesma ação e os mesmos cabeçalhos de cena.

Você deve amar contar histórias e conhecer os elementos básicos do storytelling para garantir que tudo seja lido corretamente. Se você adora contar histórias e vê a matemática necessária para criar a história que deseja ver, realmente fica fácil se tornar detalhista, pois você entende a matemática disso. Você entende que A + B = C.

É algo que as pessoas que têm uma verdadeira paixão por isso serão capazes de fazer com muita facilidade.

MG

Claro, Marc, parece bem fácil!

Você também pode se interessar por…

Coordenador de roteiro Danny Manus sobre uma imagem que diz  “5 dicas de negócios para roteiristas”

Consultor de roteiro Danny Manus oferece aos roteiristas 5 dicas fundamentais de negócios

O consultor de roteiro Danny Manus é um ex-executivo de desenvolvimento, portanto, ele já esteve do outro lado da dinâmica do negócio de roteiro. Agora, ele dirige sua própria empresa de consultoria, No BullScript Consulting, para ensinar aos roteiristas o que eles devem saber se quiserem ter uma carreira de sucesso como roteirista profissional na indústria do entretenimento. E aqui vai uma dica: não se trata apenas do roteiro. Confira a checklist dele, e mãos à obra! Aqui está uma lista dos tópicos com os quais você deve estar familiarizado, de acordo com Manus. Como ele sugere...
Is It Hard to be a Screenwriter? Writer Robert Jury Answers

É difícil ser roteirista? O escritor Robert Jury responde

O roteirista, produtor e diretor Robert Jury conquistou seu espaço em Hollywood através de trabalho duro e determinação. Ele fez o esquema de Los Angeles, e também tem obtido sucesso como escritor em sua atual casa em Iowa City, Iowa. Ao longo de algumas décadas, Jury aprendeu que não há substituto para a perseverança e a paixão. Jury começou sua carreira como leitor de roteiros, fez estágio na Warner Bros. Pictures e trabalhou na Touchstone Pictures Company. “Antigamente, eu levava para casa uma dúzia ou mais de roteiros fisicamente, e comecei a observar ...
How to Prepare for the Future of Screenwriting, According to a Pro

Como escrever para a realidade virtual, a próxima fronteira da escrita de roteiros

O futuro da escrita de roteiros parece ser virtual – pelo menos, se você perguntar ao roteirista Bryan Young. Então, estamos aqui hoje para ajudá-lo a se preparar para escrever um roteiro para aplicativos de realidade virtual. Embora ainda seja uma novidade, Bryan acredita fortemente que a realidade virtual é o caminho para onde as histórias se dirigem. Bryan também é podcaster, autor e jornalista de sites como HowStuffWorks.com, SyFy.com e StarWars.com (que belo trabalho, não?!), onde acompanha de perto as tendências e fala sobre o que está por vir. "No que...