Blog de Criação de Roteiros
Publicado em por Courtney Meznarich

Como evitar um mau negócio ao vender seu roteiro

Mesmo com um excelente consultor ao seu lado, é difícil saber exatamente o que procurar em um contrato de compra de roteiro ou contrato de opção. A duração da opção, créditos de roteiro, direitos e bônus são aspectos importantes. Mas há dois outros aspectos a ser observados durante a opção ou venda do seu roteiro: baixas tarifas de opção e cláusulas de reversão.

Conversamos com o perito legal Sean Pope da Ramo Law, firma de advocacia de entretenimento com escritórios em Beverly Hills e Nova York. Além de apontar dois aspectos a ser observados durante a opção ou venda do roteiro, ele explica por que esses itens podem significar problemas para você, o roteirista, no futuro.

Reserve seu lugar na fila!

Obtenha acesso antecipado ao Software de Roteiro SoCreate. O cadastro é GRÁTIS!

Neste artigo, saiba mais sobre baixas tarifas de opção e cláusulas de reversão e como elas podem impactar negativamente o criador enquanto beneficiam o comprador.

Contratos legais que os roteiristas devem evitar

Uma armadilha em que os roteiristas costumam cair é a opção de baixo custo. Isso é especialmente verdadeiro para escritores que nunca venderam a opção de um roteiro antes e estão simplesmente empolgados com a perspectiva de uma possível produção. Embora uma opção de baixo custo não seja um grande negócio em termos de pagamento, há uma razão ainda pior pela qual você pode querer evitar essa armadilha legal.

O segundo aspecto a se observar é a falta de uma cláusula de reversão. Um produtor ou executivo raramente oferece isso em seu contrato de compra, então você precisa pedi-la.

Abaixo, Sean explica esses dois aspectos a ser observados. Embora pareçam simples na superfície, pode haver uma razão mais sorrateira pela qual você os encontrará ou não em seu contrato legal de roteiro.

Tarifas de opção de baixo custo

“Eu diria que algo que não é terrível, mas que você deve ter em mente quando estiver fazendo isso, são as ofertas de opções que têm uma tarifa antecipada muito baixa”, começou Sean, “como, por exemplo, a tarifa de opção é de US$ 1, em que você está dando à produtora o direito exclusivo de comprar o roteiro, mas ela não precisa pagar por essa exclusividade.”

Quando uma empresa ou produtor compra a opção de um roteiro, eles estão basicamente pagando ao roteirista uma tarifa para alugar o roteiro por um tempo e ver se conseguem atrair o interesse de um diretor, elenco e talvez de financiadores. Se eles não conseguirem, você recebe o roteiro de volta. Se conseguirem, terão o direito de comprar o roteiro.

Essas tarifas podem variar de US$ 1 a milhares de dólares.

Porém, em troca dessa tarifa e da oportunidade de ter seu roteiro produzido, você não poderá vendê-lo para mais ninguém pelo período de tempo especificado.

“Então, você está impedido de fazer qualquer coisa com seu roteiro por 18 meses ou entrar em contato com outras produtoras quando essa empresa ou produtor não pagou nada adiantado”, disse Sean. “E isso pode ser um contrato de opção muito barato, ou às vezes também é chamado de contrato de compra, onde você concede a eles exclusividade para que saiam e o levem ao mercado, e eles não precisam colocar a pele em jogo.”

Se você está sentado em uma pilha de ótimos roteiros, pode não fazer muita diferença para você ter um roteiro fora de serviço por um tempo em troca da chance de tê-lo produzido. Porém, se tiver apenas alguns roteiros viáveis para o mercado atual, peça mais dinheiro pela venda da opção.

“Então, há um tipo de contrato comum em que, se você puder, vai querer negociar uma tarifa de opção mais alta ou realmente avaliar se quer trabalhar com essa produtora”, disse Sean. “Eles podem ter uma razão muito viável para fazer isso, ou não, e só querem um contrato de exclusividade a baixo custo nesse roteiro.”

Sem cláusula de reversão

“Outra cláusula que normalmente não estará presente em um contrato e que você terá que pedir especificamente é o que chamamos de cláusula de reversão”, disse Sean.

Em um contrato de compra de roteiro sem cláusula de reversão, o produtor ou empresa que comprou seu roteiro pagou um preço específico para se tornar proprietário de todos os direitos sobre o roteiro.

“Uma cláusula de reversão diz à produtora que, mesmo que ela pague o preço de compra, deve entrar em produção e usar o roteiro dentro de um período negociado, de dois a quatro anos depois de pagar o preço de compra. Caso contrário, os direitos do roteiro serão revertidos para o escritor, que poderá levá-lo para outro lugar”, explicou Sean. “Isso serve para evitar que uma produtora que pode ter muitos, muitos roteiros, ou um estúdio que pode ter vários roteiros, realmente compre seu roteiro por um valor baixo porque têm outro roteiro de que realmente gostam e que é muito semelhante em escopo, e eles não querem que outra pessoa o produza. Então, eles estão dizendo que vão produzi-lo, e eles pagam o preço de compra, e então o roteiro fica na prateleira por 40, 50 anos, e você não poderá explorá-lo como escritor.”

Você já ouviu falar de roteiristas que venderam inúmeros roteiros durante a vida, mas ainda não viram um crédito “escrito por” em um filme? Embora o cenário acima nem sempre seja o culpado, disse Sean, “ele pode ser mais comum do que você pensa”.

“Então, algo que você pode querer solicitar é essa cláusula de reversão, para que esses direitos sejam revertidos a você no final das contas, caso eles não estejam dando nenhum passo para avançar para a produção”, disse Sean.

Um contrato inicial normalmente não apresenta uma cláusula de reversão porque não é benéfico para a parte compradora.

“É algo que você, como escritor, realmente precisará pedir”, disse Sean.

Conclusão

Entender o que procurar em uma opção de roteiro ou contrato de compra de roteiro ajudará você a proteger a si mesmo e ao trabalho da sua vida quando a oportunidade bater. Embora os produtores e as empresas de produção nem sempre tentem ser sorrateiros, eles sempre farão o que é melhor para eles, a menos que você saiba perguntar o contrário.

Gostou desta publicação? Compartilhar é cuidar! Gostaríamos MUITO se você a compartilhasse na plataforma social de sua preferência.

Certifique-se de que seus contratos legais sejam justos: considere o preço da venda da opção e peça por uma cláusula de reversão, no caso de alguém querer comprar seu roteiro.

Estou apenas observando seu melhor interesse, escritor(a),

Você também pode se interessar por…

Graphic of attorney Sean Pope over text that reads "What to Look For In a Screenplay Sale Legal Agreement"

O que procurar em um contrato legal de roteiro

Escrever um roteiro já é bastante desafiador. Porém, e quando chega a hora de vender esse roteiro? Você tem que saber ainda mais, e isso não tem nada a ver com escrever. Suponha que você tenha chegado a um ponto em sua carreira de escritor em que alguém está tentando optar ou comprar seu roteiro. Nesse caso, você provavelmente está se sentindo sobrecarregado com a ideia de negociar um contrato, determinar quanto vale seu roteiro e tentar equilibrar sua empolgação pela venda e sua cautela em entregar todo o seu trabalho duro. Você sabe o que procurar em...

obter o copyright ou registrar seu roteiro

Como obter o copyright ou registrar seu roteiro

Como obter o copyright ou registrar seu roteiro Observação: a SoCreate reuniu os conselhos a seguir a partir de fontes online, incluindo o Escritório de Direitos Autorais dos EUA, Writers Guild of America e Legal Zoom. Eles estão sendo apresentados apenas para fins educacionais, e não devem ser usados como aconselhamento jurídico. Histórias de horror circundam a comunidade de roteiristas: um escritor passa meses em um roteiro brilhante, envia-o para empresas de produção e é imediatamente rejeitado. Ai! Dois anos depois, um filme assustadoramente parecido chega aos ...
Advogado Sean Pope sobre uma imagem que diz “Como evitar problemas de direitos autorais de roteiro”

Como evitar problemas de direitos autorais de roteiro

Você já ouviu as histórias de terror: roteiristas que acabam sem crédito por um filme produzido, escritores que não recebem sua devida parte por sequências e prequelas, e roteiristas que são vergonhosamente creditados por filmes terríveis que mal se assemelham ao roteiro que eles escreveram inicialmente. E as histórias só pioram. Quer saber como evitar problemas de direitos autorais de roteiro como esses? Com o aconselhamento adequado, é possível proteger você e seu trabalho criativo, mesmo ao trabalhar com um parceiro de escrita. E, se você não tiver um advogado...