Blog de Criação de Roteiros
Publicado em por Courtney Meznarich

Os 7 pecados capitais dos diálogos, com exemplos

Os 7 pecados capitais dos diálogos, com exemplos

Embora os roteiros não precisem incluir muitos diálogos (ou qualquer diálogo), a maioria dos roteiristas se apoia no diálogo para ajudar a levar sua história adiante. Diálogo significa qualquer palavra falada ou conversa entre personagens de seu roteiro. Parece realista, mas, quando você vai um pouco mais a fundo, ele provavelmente não imita precisamente a forma como falamos, pois, em um roteiro, o diálogo deve ter um propósito rápido e focado. Não há divagações em um roteiro; nos melhores roteiros, o diálogo vai direto ao ponto.

Há algumas regras simples para escrever diálogos fortes em sua história e algumas coisas que não se deve fazer de jeito nenhum. Descobri que um dos guias mais valiosos para escrever diálogos descreve o que NÃO fazer, no entanto. Os 7 pecados capitais dos diálogos, conforme explica David Trottier no livro The Screenwriter’s Bible, vão ao cerne da questão: remova exposições evidentes, não escreva em excesso, não exagere as emoções dos personagens, apenas diga não às cordialidades do dia a dia, pare de repetir informações, deixe espaço para subtextos e evite clichês.

Reserve seu lugar na fila!

Obtenha acesso antecipado ao Software de Roteiro SoCreate. O cadastro é GRÁTIS!

“O diálogo de um filme deve estalar, crepitar e rebentar”, afirma Trottier.

Estalar é a nitidez, crepitar é o frescor e rebentar é o subtexto. O diálogo nítido é curto e direto ao ponto. O diálogo inovador é original.

“O subtexto rebenta quando o texto estala e crepita”, ele continuou.

Ou seja, não se trata do que você fiz, mas como diz.

Se você ainda não possui o livro Bible de Trottier, recomendo fortemente que adquira uma cópia. Ele explica as lições de escrita de uma forma que me tocou. Então, hoje, vou compartilhar esses 7 pecados capitais dos diálogos de forma mais detalhada e incluir exemplos como bônus. Todo mundo adora um exemplo, não é mesmo?

7 pecados capitais dos diálogos

1. Exposição óbvia

Seus personagens nunca devem contar uns aos outros algo que já sabem ou que o público já sabe. Certifique-se de que seus personagens falem uns com os outros, e não com o espectador, para evitar a exposição óbvia de sua história. O público não precisa saber tudo de uma vez. Isso geralmente é chamado de diálogo "on-the-nose". Ele ocorre quando um personagem fala exatamente o que está pensando ou precisamente o que o público precisa saber para que a história avance sem nenhuma sutileza. É o diálogo que diz: “Oh, não! Ali está ele!" quando o vemos bem ali. Lembre-se do que seu público está vendo, porque as coisas provavelmente não precisam ser ditas, se eles podem vê-las.

Trecho de roteiro com exposição óbvia

SARAH

Lamento muito saber que seu amigo morreu ontem à noite, Jerry.

JERRY

Estou muito triste. Ele morreu em um acidente de carro.

Ambas as frases poderiam ser exibidas, em vez de contadas. Talvez Sarah dê a Jerry um abraço lateral e diga: “aguente firme”, enquanto Jerry olha para um crucifixo na igreja, ponderando sobre a brevidade da vida. Ok, está ficando deprimente. Vamos seguir em frente. Você já entendeu!

2. Escrita excessiva

Não use mais palavras do que o necessário para dizer algo. Isso retarda seu roteiro e, eventualmente, seus atores. E também entedia o público. Você nunca quer que um espectador pense “vamos, parem de enrolar”. É para hoje! Especificamente, Trottier alerta para evitar sessões de perguntas e respostas, interrogatórios policiais e cenas de discurso. Permita que os personagens interajam uns com os outros e se interrompam, semelhante a uma conversa normal. Limite as seções mais longas do diálogo a uma ideia. Fique atento ao excesso de escrita também em suas descrições de cenas e ações.

Trecho de roteiro com escrita excessiva

BARTHOLOMEW

Quando ela entra na sala, todos os outros desaparecem. Estou obcecado por ela.

Ei, Bart! Sabemos que você está obcecado por ela por conta da sua primeira frase — não há necessidade de escrever em excesso através da segunda.

3. Exagero

Se você estiver adicionando pontuação exagerada ao diálogo ou parêntese de seus personagens para indicar (gritando), (sussurrando) e assim por diante, isso é um bom sinal de que seus personagens sofrem de falta de contexto, motivação ou clareza. Se seus personagens são tão fortes quanto deveriam ser, não há dúvida sobre o tom de seus diálogos — seu leitor já deve saber como eles vão expressar uma fala. Menos é mais.

Trecho de roteiro com exagero

KELLY

(soluçando)

MEU DEUS. Como você pôde fazer isso comigo?!

SYBIL

(olhos revirando)

Você é tão dramática.

Sabendo que Kelly é uma membro da fraternidade muito dramática e muito emocional, e que Sybil é a "mãezona" do grupo de amigas (o que soubemos anteriormente em suas descrições hipotéticas de personagem), nenhum comentário entre parênteses é necessário. O ponto de exclamação provavelmente também é desnecessário, porque já sabemos como Kelly faria uma pergunta dramática.

4. Cordialidades do dia a dia

Comece e conclua uma cena o mais rápido possível. Você já viu uma ótima cena de filme que começa com: “Ei, como você está hoje, Sally? Estou ótima, Bill, obrigada por perguntar. E seus filhos, como estão?” Cite uma: vou esperar…

Apresentações, conversa fiada e bate-papo são tão enfadonhos no roteiro quanto na vida real.

Trecho de roteiro com cordialidades do dia a dia

ROY

Ei, você se lembra de mim? Sou Roy, da contabilidade.

JILL

Oh, olá, Roy. Eu me lembro. Como está aquele seu cachorro fofo?

ROY

Você se lembrou! Ele está bem. E seu gato?

Vou parar por aí porque não aguento mais!

5. Repetição desnecessária

Se o público já aprendeu algo em uma cena anterior, raramente há necessidade de repetir por meio do diálogo em uma cena posterior. Veja este exemplo de descrição de ação em uma cena, seguida de diálogo na próxima.

Trecho de roteiro com repetição desnecessária

Steve se esforça para controlar seus dedos congelados, quase erra o botão de detonação e corta a linha para desmontar a bomba.

JILLIAN

Bem, Steve, você conseguiu. Você desarmou a bomba.

Este exemplo é bastante autoexplicativo.

6. Sem espaço para subtexto

Deixe seus personagens sugerirem o que querem dizer, deixando espaço para o subtexto, o qual é expressado por meio da situação, da linguagem corporal, da atitude, da metáfora e do duplo sentido. O subtexto é aquilo que NÃO É DITO.

Trecho de roteiro sem espaço para subtexto

LAMARR

Minha camisa está arruinada!

BETTY

Um pouco de sabão e pó e água quente devem resolver o problema.

Lamarr joga sua camisa estragada na cesta de roupa suja. Betty, irritada, olha para cima enquanto esfrega o chão próximo.

BETTY

Ok, acho que vou cuidar disso.

Betty diz que cuidará de tratar a mancha na camisa, mesmo depois de instruir Lamarr como fazê-lo, mas o que ela realmente está dizendo aqui é que se sente a única pessoa que faz as tarefas domésticas. Isso é subtexto.

7. Diálogo não original ou derivado

Para demonstrar, aqui está uma lista de frases clichês e diálogos derivados de outros filmes que NINGUÉM deseja ouvir em seu roteiro. Se você tem um bom motivo, vá em frente, mas não diga que não avisei.

  • Não estamos mais no Kansas.

  • Não há lugar como nossa casa.

  • Mostre-me o dinheiro.

  • Sou o rei do mundo!

  • Podemos fazer isso da maneira fácil ou da maneira difícil.

  • Eu voltarei.

  • Hasta la vista, baby.

  • Abalado, não mexido.

  • Sempre cuidarei de você, garota.

  • Você vai precisar de um barco maior.

  • Se você construir, eles virão.

  • Apenas continue nadando.

  • Está falando comigo?

  • Duvido muito!

  • Quero o que ela está comendo.

  • Ninguém coloca Baby no canto.

  • Saia dessa!

  • Houston, temos um problema.

  • Você não pode lidar com a verdade.

  • Você me ganhou no cumprimento.

  • Você está me matando, smalls!

  • É melhor você correr!

  • Vai explodir!

  • Temos companhia.

  • Eles estão atrás de mim, não estão?

  • Não morra sob meus cuidados.

  • Saia daí!

  • Isso é tudo o que você pode fazer?

  • Você nunca vai se safar com isso! - Veja só.

  • O quão difícil pode ser?

  • Eu nasci pronto.

  • Estou só começando.

  • Não no meu turno!

  • Esperar! Eu posso explicar.

Claro, a lista acima (adaptada do inglês) não é exaustiva. Se o seu diálogo soa como se você já tivesse ouvido, provavelmente já ouviu. Escreva com suas próprias palavras! A originalidade está em alta agora.

Então, você é um pecador ou um santo dos diálogos? Sempre podemos melhorar, então, espero que você examine seu roteiro em busca destes 7 pecados capitais dos diálogos para você onde pode aprimorar, cortar e reduzir. Caso precise de mais ajuda para escrever um diálogo atrativo, acesse as 5 principais dicas para escrever um diálogo em um roteiro da roteirista Victoria Lucia. Continue praticando, e você deixará Aaron Sorkin orgulhoso muito em breve. 😊

Não se trata do que eu disse, mas de como eu disse,

Você também pode se interessar por…

2 maneiras de escrever uma montagem em um roteiro tradicional

2 maneiras de escrever uma montagem em um roteiro tradicional

Montagens. Todos nós as conhecemos quando as vemos, mas o que exatamente ocorre nelas? Como formatar uma montagem no meu roteiro? E se minha montagem estiver acontecendo em mais de um local? Aqui estão algumas dicas e conselhos sobre como escrever montagens que me ajudaram na minha escrita. O que é exatamente uma montagem? Montagem é uma coleção de cenas curtas ou breves momentos que são agrupados para mostrar rapidamente uma passagem de tempo. Geralmente não há diálogo, ou muito pouco diálogo, em uma montagem. Uma montagem pode ser usada para condensar ...
3 Ways to Write a Phone Conversation in a Traditional Screenplay

3 maneiras de escrever uma conversa telefônica em um roteiro tradicional, de acordo com o roteirista Doug Richardson

Quando um telefonema não é apenas um telefonema? Quando você precisa mostrar, e não dizer. Como escrever uma ligação telefônica em um roteiro? Existem pelo menos três cenários diferentes a ser considerados quando você deseja inserir uma conversa telefônica em seu roteiro. Nós perguntamos ao roteirista Doug Richardson (“Bad Boys”, “Refém”, “Duro de Matar 2”) como ele aborda as conversas telefônicas em seus roteiros, e ele afirmou que os roteiristas devem considerar as seguintes situações de telefonema: estamos vendo e ouvindo apenas um personagem...
Doug Richardson graphic that says "How to Write a Screenplay With Little or No Dialogue"

De volta ao silêncio: como escrever um roteiro com pouco ou nenhum diálogo

De curtas a longas-metragens, atualmente há filmes inteiros com pouco ou nenhum diálogo. E os roteiros desses filmes costumam ser o exemplo perfeito do que deve ser um roteiro – uma demonstração de exibição e não revelação, usando apenas técnicas de storytelling visual. Perguntamos ao roteirista Doug Richardson ("Bad Boys", "Duro de Matar 2", "Refém") o que ele acredita ser a chave do sucesso ao escrever um roteiro com pouco ou nenhum diálogo. "Isso é muito simples", ele disse. “Como escrever um roteiro com pouco ou nenhum diálogo, e como manter o leitor envolvido?...