Blog de Criação de Roteiros
Publicado em por Victoria Lucia

Ponto de vista em primeira pessoa, segunda pessoa e terceira pessoa

Na escrita de ficção, muitos pontos de vista diferentes podem ser utilizados para contar uma história. Quais são exatamente os vários pontos de vista?

Assinaturas do SoCreate em breve!

As avaliações beta estão completas, mas você pode se inscrever para ser notificado assim que seu serviço de assinatura começar.

Continue lendo enquanto exploro os pontos de vista em primeira, segunda e terceira pessoa!

Ponto de vista em primeira pessoa, segunda pessoa e terceira pessoa

O que é o ponto de vista em primeira pessoa?

O ponto de vista em primeira pessoa é quando a história é contada a partir de uma das perspectivas do personagem, geralmente o protagonista ou um personagem intimamente ligado ao protagonista. A primeira pessoa utiliza os pronomes “eu”, “mim” e “nós” para contar a história. Quando o protagonista está contando o ponto de vista em primeira pessoa, isso geralmente é chamado de “perspectiva central em primeira pessoa”.

Ponto de vista periférico em primeira pessoa é quando a história está sendo contada por um personagem diferente do protagonista.

O ponto de vista em primeira pessoa pode criar uma sensação de intimidade, pois parece que o personagem está compartilhando seus pensamentos e sentimentos com o leitor. Esse ponto de vista pode ser limitante, pois você está restrito a contar a história com base apenas no que o narrador sabe.

Exemplos de ponto de vista em primeira pessoa

O Apanhador no Campo de Centeio”, escrito por J.D. Salinger, é um exemplo de ponto de vista em primeira pessoa que mostra o protagonista, Holden Caulfield, como o narrador. Curiosamente, Holden também é um narrador não confiável. Um narrador não confiável é uma abordagem usada no ponto de vista em primeira pessoa, onde o escritor deixa pistas de que o que o narrador está dizendo pode ser distorcido, injustamente modificado por sua opinião ou totalmente falso. Neste caso, a instabilidade mental de Holden o torna um narrador não confiável.

Um exemplo popular de ponto de vista periférico em primeira pessoais é “O Grande Gatsby”, escrito por F. Scott Fitzgerald, contado pela perspectiva de Nick Carraway, amigo do protagonista, Jay Gatsby.

O que é o ponto de vista em segunda pessoa?

O ponto de vista em segunda pessoa é uma das perspectivas narrativas menos usadas na ficção. O ponto de vista em segunda pessoa quebra a quarta parede, atribuindo o leitor como protagonista ou como outro personagem da história. O ponto de vista em segunda pessoa utiliza o pronome “você”. Escrever a partir dessa perspectiva pode criar um sentimento interativo para o leitor, tornando-o parte da história.

Exemplos de ponto de vista em segunda pessoa

Self-Help é uma coleção de contos de Lorie Moore que apresenta seis das nove histórias com narração em segunda pessoa.

O ponto de vista em segunda pessoa é comumente usado em não ficção, letras de músicas ou videogames.

A música dos Beatles “She Loves You“ mostra claramente o ponto de vista em segunda pessoa.

“Você pensa que perdeu seu amor
Bem, mas eu a vi ontem
É em você que ela está pensando
E ela me disse o que falar”

O jogo ”Undertale” utiliza uma narração em segunda pessoa referindo-se a “você”, o jogador, durante todo o jogo.

O que é o ponto de vista em terceira pessoa?

O ponto de vista em terceira pessoa apresenta um narrador que existe além da ação da história. A terceira pessoa utiliza os pronomes ele, ela, isso e eles/elas.

  • Terceira pessoa onisciente

    Esta é a perspectiva menos limitante para os escritores escreverem. Como o nome indica, o narrador onisciente vê e sabe tudo. Não há limitações para o que este narrador conhece; ele pode se mover no tempo e conhecer os pensamentos e sentimentos internos dos personagens. Essa perspectiva é frequentemente descrita como “semelhante a um Deus”.

  • Terceira pessoa limitada

    É quando o narrador está a par da perspectiva, pensamentos e sentimentos de um personagem. Embora ainda esteja em terceira pessoa, essa perspectiva pode proporcionar uma conexão mais próxima entre o leitor e o personagem cujos pensamentos e sentimentos são apresentados. O resto dos personagens é visto da perspectiva desse personagem.

  • Terceira pessoa objetiva

    Ocorre quando o narrador apresenta a história sem conhecer nenhum dos pensamentos ou sentimentos do personagem.

Exemplos de ponto de vista em terceira pessoa

Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen, usa um ponto de vista onisciente em terceira pessoa. O narrador está a par dos pensamentos e sentimentos do protagonista e dos pensamentos e sentimentos de outros personagens.

Este trecho de “Harry Potter e a Pedra Filosofal”, de J.K. Rowling, demonstra como os livros de Harry Potter são escritos em ponto de vista em terceira pessoa limitada. O narrador só conhece o protagonista, os pensamentos e sentimentos de Harry Potter.

A Loteria”, de Shirley Jackson, pode atribuir sua narrativa independente ao uso do ponto de vista em terceira pessoa objetiva. O narrador não compartilha quaisquer pensamentos ou sentimentos pertencentes aos personagens, mas simplesmente descreve os eventos da história.

Gostou desta publicação? Compartilhar é cuidar! Gostaríamos MUITO se você a compartilhasse na plataforma social de sua preferência.

Conclusão

Espero que este artigo tenha consegui lhe ensinar um pouco sobre os pontos de vista em primeira, segunda e terceira pessoa! Aprender sobre as várias perspectivas ao contar histórias pode ser útil para todos os escritores. Se você está acostumado a escrever apenas a partir de uma perspectiva, pensar em outra pode ajudá-lo a mudar as coisas e descobrir coisas novas sobre sua escrita!

Você também pode se interessar por…

escolher uma contagem de palavras para sua história com base no tipo dela

Como escolher uma contagem de palavras para sua história com base no tipo dela

Tenho pesquisado todas as opções que os escritores têm disponíveis para contar suas histórias, de roteiros a romances, de poesia a livros ilustrados, de dribbles a drabbles. Quer você tenha muito ou pouco tempo, existem muitas opções disponíveis. Hoje, vou falar em detalhes sobre a definição dos vários tipos de histórias que você pode escrever e qual será a expectativa do leitor, incluindo contagem de palavras, opções de publicação e os desafios inerentes a cada uma delas. Os editores costumam seguir as diretrizes abaixo por alguns motivos: os leitores saberão o que esperar...

Atos, cenas e sequências - Qual deve ser a duração de cada um deles?

Se eu tivesse que indicar meu adágio favorito, seria aquele que diz que as regras servem para ser quebradas (a maioria delas; limites de velocidade são exceção!), mas você deve conhecer as regras antes de poder quebrá-las. Portanto, lembre-se disso enquanto lê o que eu chamo de "diretrizes" de timing para atos, cenas e sequências em um roteiro. Existe um bom motivo para essas diretrizes, no entanto (assim como para os limites de velocidade 😊); portanto, não exceda muito os limites, ou você poderá pagar por isso mais tarde. Vamos começar do início. Um roteiro de 90-110 páginas é ...

ganhar dinheiro com contos, minicontos e poesias

Como ganhar dinheiro com contos, minicontos e poesias

Romances, guias de instruções e escrita de conteúdo para outras empresas não são a única maneira de ganhar dinheiro com sua escrita! Você pode ganhar dinheiro com sua narrativa criativa, e não estou falando de materiais longos. Contos e poemas também têm seu lugar. Assim como o conteúdo de vídeo de formato curto, as pessoas desejam maneiras de se divertir rapidamente e fugir da realidade em períodos mais breves. O mercado está repleto de oportunidades para que contadores de histórias sejam recompensados monetariamente por seu talento...