Blog de Criação de Roteiros
Publicado em por Victoria Lucia

Explicando estruturas de três e cinco atos em um roteiro tradicional

Então, você tem uma história que adora! Você tem personagens que são como pessoas reais, conhece todos os beats e pontos da trama em detalhes, e tem um humor e um tom distintos em mente. Agora, como estruturar a coisa toda?

Mantenha seu lugar na fila, roteirista! Estamos chegando perto de lançar o software SoCreate Screenwriting para um número limitado de testadores beta. , sem sair desta página.

Bem, às vezes, também me pego pensando nisso! Quantos atos meu roteiro deve ter? Quais são os méritos de usar uma estrutura em relação à outra? Aqui estão algumas coisas que considero quando quero decidir entre uma estrutura de três atos ou cinco atos para um roteiro.

Explicando estruturas de três e cinco atos em um roteiro tradicional

Estrutura de três atos

Como é uma estrutura de três atos:

  • Ato 1

    A configuração: somos apresentados ao que está acontecendo, o incidente incitante acontece.

  • Ato 2

    Há obstáculos/desafios, a ação aumenta, estamos aumentando as apostas, o ponto médio acontece nesse ato.

  • Ato 3

    Há uma crise/clímax e, depois dessa ação, a história é esclarecida e tudo é explicado.

Pontos importantes

  • Ela se resume ao ato 1: configuração, ato 2: confronto, ato 3: resolução

  • Em essência, ela é simples e instintiva, todas as histórias têm começo, meio e fim

  • É uma estrutura bastante reconhecível pelo público

  • Outras estruturas geralmente são apenas versões sofisticadas da estrutura de três atos, com mais elementos adicionados a elas

Onde já vi uma estrutura de três atos?

Bons exemplos de estrutura de três atos são "Star Wars", "Goonies" e "Duro de Matar".

Por que devo considerar o uso da estrutura de três atos?

Ela funciona! Passou no teste do tempo, é a forma estrutural mais reconhecível e é uma estrutura fácil de trabalhar.

Estrutura de cinco atos

Como é uma estrutura de cinco atos:

  • Ato 1

    A configuração: o que está acontecendo? O incidente incitante acontece.

  • Ato 2

    A ação aumenta. Conflitos surgem.

  • Ato 3

    Tudo chega ao clímax.

  • Ato 4

    Ação decrescente. Pontas soltas são amarradas, e tudo é explicado.

  • Ato 5

    Resolução/conclusão. Pode revelar para onde vamos a partir daqui.

Pontos importantes

  • Comumente usado em programas de TV com uma hora de duração (embora menos atualmente, graças a serviços de streaming ou canais a cabo, onde os atos não são uma preocupação devido à falta de intervalos comerciais)

  • Trata-se realmente de uma versão ampliada da estrutura de três atos

Onde já vi uma estrutura de cinco atos?

Bons exemplos de estrutura de cinco atos são "Sicário", "Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres" e o piloto de "Breaking Bad".

Por que devo considerar o uso da estrutura de cinco atos?

Como eu disse anteriormente, você pode usá-lo se estiver escrevendo um piloto para a TV ou se preferir pensar em um roteiro de longa-metragem dividido de modo um pouco mais extenso do que na estrutura de três atos.

Eu poderia falar sobre os fundadores dos métodos e das intenções deles, mas você não precisa saber tudo isso. Acredito firmemente no uso de estruturas desses tipos como um guia, e não como uma religião. Você não precisa viver e morrer por essas fórmulas.

No final das contas, o que importa qual estrutura você escolheu, se possui um roteiro atraente no final? Chegar lá é algo incrivelmente individual, então, você deve escolher os elementos que o levarão a um ótimo roteiro. Meu conselho é não se preocupar muito com o formato que você deve usar, e se concentrar em contar a história da melhor maneira possível. O importante é que a história seja emocionante, convincente, memorável e bem contada.

Boa escrita.

Você também pode se interessar por…

How to Write a Screenplay With Little or No Dialogue, According to Screenwriter Doug Richardson

De volta ao silêncio: como escrever um roteiro com pouco ou nenhum diálogo

De curtas a longas-metragens, atualmente há filmes inteiros com pouco ou nenhum diálogo. E os roteiros desses filmes costumam ser o exemplo perfeito do que deve ser um roteiro – uma demonstração de exibição e não revelação. Perguntamos ao roteirista Doug Richardson ("Bad Boys", "Duro de Matar 2", "Refém") o que ele acredita ser a chave do sucesso ao escrever um roteiro com pouco ou nenhum diálogo. "Isso é muito simples", ele disse. “Como escrever um roteiro com pouco ou nenhum diálogo, e como manter o leitor envolvido? É uma coisa muito simples. Conte uma história que faça o ...
Writer Jonathan Maberry Tells You How to Write the Perfect First Page

Best-seller do New York Times, Jonathan Maberry ensina como escrever a primeira página perfeita

Às vezes, a ideia de escrever algo terrível me impede de escrever qualquer coisa. Mas esse sentimento não dura, a) porque eu me treinei para romper essa barreira, e b) porque eu não recebo, se não escrever! Este último é muito motivador, mas não é algo em que a maioria dos roteiristas possa depender regularmente. Não, sua inspiração deve vir de você mesmo. Então, o que você faz quando parece que não consegue passar da primeira página? Best-seller do New York Times, Jonathan Maberry tem alguns conselhos para escrever a primeira página perfeita, e tudo começa com o ato ...

Fazer uso da capitalização em um roteiro tradicional

6 elementos para capitalizar no seu roteiro

Como fazer uso da capitalização em um roteiro tradicional

Diferentemente de algumas das outras regras de formatação em um roteiro tradicional, as regras de capitalização não são definitivas. Embora o estilo único de cada escritor influencie seu uso individual da capitalização, existem 6 elementos gerais que você deve capitalizar no seu roteiro. 6 elementos para capitalizar no seu roteiro. 1. A primeira vez em que um personagem é introduzido. 2. Os nomes dos personagens acima de seus diálogos. 3. Cabeçalhos (scene headings) e slug lines. 4. Extensões de personagens para "voice-over" e "off-screen". 5. Transições, incluindo FADE IN, CUT TO ...