Blog de Criação de Roteiros
Publicado em por Courtney Meznarich

ENTREVISTA: novo Programa de Incubadora de Escritores da NBCUniversal busca histórias de americanos da Ásia e das Ilhas do Pacífico

Ainda dá tempo de se inscrever para o novo programa de incubadora de escritores americanos da Ásia e das Ilhas do Pacífico da showrunner Soo Hugh. As inscrições se encerram no dia 31 de março de 2022.

Recentemente, encontramos Soo e sua ex-assistente, Ria Tobaccowala (que agora comandará a incubadora) para saber mais sobre a missão do programa de destacar histórias da diáspora dos americanos da Ásia e das Ilhas do Pacífico.

Reserve seu lugar na fila!

Obtenha acesso antecipado ao Software de Roteiro SoCreate. O cadastro é GRÁTIS!

The Thousand Miles Project

O nome da incubadora, The Thousand Miles Project, é baseado no antigo provérbio chinês: “A jornada de mil milhas deve sempre começar com o primeiro passo”. Ele compara o processo de adentrar o sistema de produção dos estúdios de Hollywood como uma longa jornada à frente, em parte porque Soo e Ria experimentaram isso em primeira mão.

“Eu sei, desde pequena, que a ideia de entrar no cinema e na televisão parecia um sonho muito distante”, explicou Soo durante uma entrevista à SoCreate. “Simplesmente, através de acontecimentos fortuitos, consegui me encontrar aqui.”

Embora Soo explicou que teve alguns momentos de sorte para chegar onde está agora como showrunner da tão esperada série da Apple TV+ “Pachinko”, que estreia em 25 de março, ela queria uma maneira de ajudar outros contadores de histórias americanos da Ásia e das Ilhas do Pacífico a entrar no negócio. Ria, por sua vez, é uma americana de primeira geração criada no sul de Chicago. Ela é uma funcionária do Google que virou cineasta com pós-graduação no programa de cinema da Tisch School of the Arts da NYU, e suas histórias exploram a identidade racial e o multiculturalismo.

“Mas o que acontece com as pessoas que não crescem nos corredores tradicionais de Los Angeles ou Nova York ou que não frequentaram certas escolas? Como damos a elas os mesmos pontos de acesso que tive a sorte de ter? Isso sempre foi um sonho meu”, explicou Soo.

A dupla está em meio a um processo de pesquisa e desenvolvimento neste programa há algum tempo. A mais recente função de Soo é ajudar a realizar o sonho: o Universal Content Studio (UCP), uma divisão do Universal Studio Group, concordou em fornecer recursos para a incubadora durante as negociações com Soo.

“Eles são muito visionários”, disse Soo. “Eles entendem que ter vozes cada vez mais diversas contribui para uma televisão melhor. Como podemos trazer mais americanos da Ásia e das Ilhas do Pacífico, asiáticos e pensadores e criadores globais para nosso sistema de estúdio? E então começamos a conversar, e a ideia cresceu cada vez mais, e eu realmente encontrei um grupo de apoiadores com a mesma opinião.”

Resumo do programa da incubadora

Soo e Ria trabalharam com a UCP para desenvolver a incubadora no ano passado. Ela aceitará 20 escritores ou equipes de redação para o programa. O início será em junho de 2022. Nele, os participantes irão:

  • Participar de um workshop virtual de dois dias projetado para ensinar os escritores sobre a indústria da escrita televisiva por meio de painéis de discussão com escritores profissionais, gerentes, executivos de desenvolvimento e agentes.

  • Ser convidados a se inscrever para participar de um laboratório de desenvolvimento de 24 semanas com base em sua proposta de ideia de história, que deve ser uma história contada através das lentes de membros da comunidade de americanos da Ásia e das Ilhas do Pacífico. Em seguida, os administradores do programa ajudarão a escolher três escritores ou equipes de redação para participar do laboratório de desenvolvimento a partir das propostas enviadas.

  • As equipes das três propostas selecionadas trabalharão com Soo, Ria, sua equipe e a UCP para escrever um roteiro piloto e potencialmente desenvolver seu projeto com a UCP. Eles se encontrarão quinzenalmente com reuniões mensais adicionais com Soo e Ria.

  • No final, Soo e Ria esperam ver três novas séries em produção. Cada um dos escritores desses projetos vencedores será recompensado e poderá considerar escritores pagos.

“Nós realmente queremos ajudar artistas emergentes que não tiveram a oportunidade de ser talvez um assistente de showrunner a entrar na indústria, apresentar a eles os detalhes do que é preciso para criar uma série, dar-lhes as principais lições de criação, como os aspectos que são importantes ao criar uma série e, a partir daí, esperamos que eles tenham a oportunidade de desenvolver algumas dessas histórias com a gente na incubadora”, explicou Ria, ex-assistente de Soo em programas como “The Terror”, da AMC.

Metas da incubadora de escrita

O programa tem dois objetivos a cumprir para ser bem-sucedido.

“O primeiro objetivo é como trazer vozes diversificadas, vozes que não são tradicionalmente representadas no sistema de cinema de Hollywood, para o estúdio”, disse Soo. Segundo, “Ria e eu realmente temos sonhos de não apenas [fazer isso] nos Estados Unidos, mas, agora que o cinema se tornou tão globalizado, não apenas na produção, mas também no desenvolvimento, nós realmente adoraríamos formar laços fortes entre o sistema americano e os sistemas da Coreia e Japão, Tailândia, Cingapura. Está explodindo.”

Ria disse que a incubadora não é tão diferente de outros programas como esse que têm o objetivo de ajudar a fazer crescer e desenvolver novas vozes e ajudar novos escritores a divulgar suas histórias. Porém, o que difere é a comunidade e o espaço seguro que Ria e Soo esperam oferecer aos contadores de histórias emergentes da Ásia e das Ilhas do Pacífico – não apenas aqueles que já entendem como Hollywood funciona –, porque todos são capazes de contar ótimas histórias se estiverem preparados.

“Todo mundo tem uma história para contar, e adoraríamos promover a comunidade juntos”, acrescentou Soo.

“Acho muito importante criar esses sistemas e, mais do que sistemas, criar esses espaços e comunidades realmente seguros para ajudar as pessoas a fazer isso! Porque esse sonho que todos nós temos é muito difícil. E pode ser um caminho muito solitário”, disse Ria. “Então, criar essa comunidade, manter essa tribo de pessoas que estão tendo esse tipo de sonho maluco de contar histórias no filme… É importante ter outras pessoas com você que vão te dar um tapinha nas costas e dizer continue, continue.”