Blog do Fundador
Publicado em por Justin Couto

Bootstrapping não é fácil: financiando minha primeira startup com cartões de crédito

Doodle mostrando um punhado de cartões de crédito.

Desde que eu era criança, sempre soube que queria ser um empreendedor e tinha certeza de que, em algum momento, seria dono do meu próprio negócio. Como muitos empreendedores, o primeiro negócio que tive foi cortar a grama. Comecei na terceira série e tinha muitos clientes que me pagavam entre US$ 5 e US$ 10 por semana, dependendo do tamanho do gramado. Foi ótimo.

Em 1997, eu trabalhava como motorista de caminhão de reboque para me formar na faculdade. Dirigir um caminhão de reboque foi um trabalho extremamente empolgante, no qual consegui ajudar muitas pessoas a sair de situações terríveis. Trabalhei às noites para poder ir à escola durante o dia. Não dormia muito, mas o salário, as horas e a empolgação fizeram valer a pena. Em seguida, consegui uma vaga em um provedor de serviços de internet que estava em rápido crescimento.

Deixar meu emprego como motorista de caminhão de reboque para trabalhar para um provedor de internet não foi uma decisão fácil para mim. Ainda assim, esperava que isso me oferecesse muitas oportunidades para aprender sobre negócios e crescer como indivíduo. Foi minha primeira incursão como empregado corporativo e meu primeiro trabalho em um escritório de qualquer tipo. Naquele momento, eu era um usuário iniciante e amador de computadores, e não fazia ideia de por que eles considerariam me contratar. Dizer que fiquei intimidado seria um eufemismo. Além do meu medo, aceitar esse emprego a US$ 7 por hora representou um corte salarial superior a 150% para mim, o que foi uma grande preocupação, porque eu mal conseguia pagar minhas contas e pagar a faculdade com meu trabalho bem remunerado com o caminhão de reboque . Aceitar essa nova posição exigiria que eu obtivesse empréstimos estudantis e me pressionaria financeiramente. Eu não tinha conta poupança, e não havia plano de ajuda na forma de pais ou tias ricas. Dependia de mim fazer isso acontecer. Depois de muito pensamento e consideração, aceitei a posição. Nunca imaginei o tremendo impacto que esse novo trabalho causaria sobre mim, como mudaria a direção da minha vida ou que seria o meu início no empreendedorismo. Digamos que o corte salarial valeu muito a pena.

Na minha nova empresa, rapidamente subi na hierarquia e ganhei muita experiência. Comecei no suporte, depois me tornei diretor, depois gerente, e, para aprimorar minhas habilidades técnicas, passei para o setor de TI e conduzi muitas iniciativas que impactaram positivamente a empresa. Meu crescimento durante esse período foi exponencial. Enquanto estava no meu cargo de suporte, tive muito tempo para aprender enquanto estava em telefonemas aguardando a reinicialização dos computadores dos clientes. Eu passava meu tempo lendo sobre tecnologia, programação e criação de software para a web. Como eu queria causar um impacto na empresa, comecei a criar ferramentas para otimizar nossos esforços. Isso foi muito importante. O aumento da eficiência proporcionado pelas ferramentas que criei estava melhorando dramaticamente os negócios. Eu amei isso. Uma ferramenta que eu escreveria hoje ajudaria alguém a fazer seu trabalho melhor amanhã. Foi louco. Eu me apaixonei pelo desenvolvimento de software, por acaso, enquanto trabalhava para financiar meus estudos. Foi tão casual, e não era nada que eu jamais tivesse sonhado que adoraria fazer.

Então, a notícia chegou. A empresa estava sendo adquirida por um provedor de internet muito maior, e eles fechariam nosso escritório local. Pelo lado positivo, eles nos dariam todos os bônus e nos pagariam em dobro pelo trabalho que faríamos se ficássemos por mais seis meses para ajudar na transição. Eles distribuíram o bônus e o pagamento em dobro no dia em que o escritório foi fechado. Fiquei muito empolgado.

A essa altura, entre os estudos e o trabalho, eu escrevia código para um projeto secreto de software que esperava poder transformar em um negócio. Essa foi a minha chance de dar esse salto. No meu último dia naquela empresa, depois de fazer uma tremenda quantidade de horas extras nos últimos seis meses, saí com um cheque de pouco menos de US$ 20.000 e usei cada centavo para financiar a empresa de software Somnio World Web Solutions, que cofundei alguns meses antes.

Minha conta bancária parecia infinita, mas meu dinheiro diminuiu rapidamente. Naquele primeiro ano, tivemos que comprar servidores, pagar por uma instalação de colocation para hospedar os servidores e pagar nossas despesas mínimas. Meus parceiros e eu trabalhamos dia e noite naquele ano para lançar nossa belíssima plataforma de CMS. Isso foi quase quatro anos antes da criação do WordPress. Estávamos à frente do nosso tempo.

A web estava em alta antes do nosso lançamento. Ela estava crescendo exponencialmente, e todas as empresas precisavam de um site. Eu sabia que, para que os sites fossem benéficos às empresas, elas precisariam de uma maneira de gerenciar o conteúdo do site por conta própria. Havia evidências disso ao nosso redor. Como empresário novato, também pensei que, uma vez que as pessoas vissem nossa solução elegante, apressariam-se em se inscrever no nosso serviço. Rapaz, eu estava errado! Apenas algumas semanas antes do lançamento, a bolha do .COM explodiu e incendiou a web. Isso dizimou o mercado de sites a ponto de as pessoas acharem que os sites eram apenas uma moda passageira. Parece difícil de acreditar agora, mas essa era a realidade em que estávamos presos. Estávamos a apenas algumas semanas do lançamento da nossa solução tão necessária, apenas para que essa necessidade evaporasse da noite para o dia.

No dia do lançamento, minha conta bancária voltou ao normal, e, por normal, quero dizer vazia. Eu estava sem dinheiro novamente. Gastei quase até o último centavo do meu pagamento de bônus de US$ 20.000 pelo qual trabalhei tanto. As coisas pareciam sombrias. Eu trabalhava há mais de um ano em um produto que foi lançado para ninguém, e não tínhamos dinheiro para divulgá-lo. Eu não tinha ideia de como sobreviveria.

Para piorar a situação, a dívida de US$ 16.000 do empréstimo estudantil que eu havia obtido para assumir o cargo no provedor de serviços de internet havia vencido. De repente, eu tinha uma nova conta a pagar e não sabia como pagaria. A única coisa que eu sabia era que não desistiria sob nenhuma circunstância.

Enquanto estava sentado em meu navio afundando, vesti um colete salva-vidas na forma de um cartão de crédito com juros zero e adiantamentos em dinheiro, além de um limite de US$ 5.000. Eu estava feliz! Isso garantiu mais cinco meses de sobrevivência. "Como assim? 5 mil garantiram cinco meses?” Falarei mais sobre isso mais tarde. Durante esse período, era fácil obter crédito. Embora eu tivesse um histórico de crédito mínimo, não tive problemas em conseguir esse cartão de crédito. Fiquei aliviado e continuei trabalhando noite e dia.

Durante o dia, eu ia de porta em porta, conversando com donos de empresas e distribuindo panfletos. Entrei para a Business Network International, a câmara de comércio de várias cidades locais, e comecei a fazer networking. Eu odiava isso. Sou naturalmente introvertido e tenho dificuldades em qualquer situação de fazer networking, mesmo atualmente, depois de todos esses anos. Mas você sabe o que eu odiava ainda mais? Não sobreviver! Fazer networking era horrível, mas eu tive que fazê-lo.

Meus parceiros e eu também fomos criativos para conseguir aumentar nossos fundos. Negociaríamos trabalhos de design em troca de entradas gratuitas em feiras. Como não tínhamos dinheiro para um estande de feiras, conseguimos um emprego demonstrando um espaço de escritório em um fim de semana para podermos manter algumas paredes do cubículo. Pegamos aquelas paredes, um pouco de madeira compensada e um tapete preto barato que compramos na loja de ferragens com nossos cartões de crédito e construímos nosso próprio estande de feiras. Aquele estande era muito pesado e trabalhoso. Ele levava 5 horas para montar. Nós literalmente tínhamos que tomar banho depois de montar nosso estande, quase sempre voltando justamente a tempo para o início da feira. Era muito trabalhoso, mas sempre tivemos um dos estandes mais bonitos nos eventos em que participamos.

Além do corte de custos criativo para nossa empresa, também éramos criativos em casa. Eu e um dos meus parceiros fechamos um acordo fantástico em uma casa de aluguel com três quartos, através de algumas pessoas que conhecíamos. Alugamos e reconfiguramos a sala adicional para podermos sublocá-la juntamente com o outro quarto de hóspedes. Pegamos um galpão que estava anexo na parte de trás da casa e o remodelamos, transformando-o em um espaço de escritório para nossa empresa. Construímos uma mesa e prateleira personalizadas para que todos pudéssemos caber em nossa nova sede corporativa. Foi fantástico.

Nós mesmos fizemos todo esse trabalho, e ele nos custou aproximadamente US$ 2.500, que colocamos em nossos cartões de crédito. Quando tudo estava pronto, os quartos que sublocamos cobriam todo o aluguel, nosso espaço de escritório era grátis e tínhamos um bom lugar para morar. Essa solução criativa reduziu nossas despesas de vida e nos permitiu investir dinheiro principalmente no crescimento dos negócios.

Assim que começamos a ganhar impulso e a registrar clientes, fomos atingidos pelas terríveis notícias dos ataques de 11 de setembro ao World Trade Center. Nesse dia, os negócios pararam por toda parte. Quando o choque finalmente diminuiu, nos recuperamos e continuamos avançando. Foram necessários seis meses de trabalho incrivelmente duro para conquistarmos nossa próxima conta.

A essa altura, minha dívida no cartão de crédito explodiu, e o peso dela estava começando a me esmagar. Eu nunca tinha atrasado um pagamento na minha vida, e sabia o quão vital seria o crédito para os meus negócios, simplesmente não podia estragar tudo. Para evitar isso, eu quitava meu pagamento mínimo no cartão de crédito com adiantamentos em dinheiro do cartão de crédito. Quando o período de juro zero no meu cartão de crédito acabasse ou quando eu estivesse prestes a atingir o limite do cartão de crédito, solicitava outro cartão de juro zero e transferia meu saldo. Em todas as vezes, a nova empresa de cartão de crédito aumentava meu limite do cartão, o que me dava mais folga para continuar. Foi um ato arriscado e uma montanha-russa de emoções, tudo em um, mas eu fiz isso dar certo.

Em 2004, eu tinha US$ 34.000 em dívidas no cartão de crédito, mas o negócio estava finalmente começando a dar certo. Estávamos adicionando clientes regularmente e conseguimos nos pagar de forma consistente. Minhas esperanças estavam altas quando entramos no novo ano.

Então, um dia em fevereiro, o parceiro com quem eu morava me informou que queria voltar para a faculdade para terminar o curso e que só poderia trabalhar em período parcial. Nós dois largamos a faculdade para lançar essa empresa, e ele queria voltar e terminar o que começou. Ele ainda estava comprometido com o negócio e continuaria a fazer o que fosse necessário para continuar. Ele também se ofereceu para faltar às aulas sempre que necessário. Fiquei um pouco surpreso com isso, mas não me preocupou porque sabia que ele nunca me deixaria em uma situação complicada.

Logo depois, quando começamos a explicar a situação para o nosso outro parceiro, ele se abriu e disse que queria sair do negócio. Ele me surpreendeu, imediatamente fazendo meu coração disparar. Não pude deixar de pensar em todos os clientes aos quais fiz promessas pessoalmente, sem mencionar os US$ 34.000 em dívidas no cartão de crédito e os US$ 12.000 em dívidas com empréstimos estudantis que eu ainda possuía. Esse parceiro havia se casado um ano antes, e ele e a esposa estavam esperando um bebê. Como ele explicou, ficou claro que o pouco dinheiro que estávamos pagando o estava afetando. Entendi isso e me ofereci para cortar meu salário, para que pudéssemos aumentar o dele, mas não ajudaria. Ele estava esgotado e não tinha mais interesse em continuar no negócio.

Nesse ponto, comecei a ficar nervoso. Expliquei que havia assumido compromissos com nossos clientes e que não podíamos simplesmente fechar os negócios e dar as costas a eles. Eu sabia que a empresa era grande demais para eu gerenciar sozinho, e seria difícil contratar pessoas com rapidez suficiente. Eu estava perdido.

Enquanto nos sentávamos em silêncio, pensei em voz alta: "E se pudéssemos vender a empresa?" Pude ver a dúvida nos rostos dos meus parceiros. De repente revigorado, peguei imediatamente o telefone. Comecei a ligar para empresas que pensei que poderiam estar interessadas em potencializar seus negócios de hospedagem ao adicionar um CMS de ponta. Literalmente, a primeira empresa à qual liguei acabou adquirindo nossa empresa 30 dias depois.

Simples assim, depois de todos os anos jogando o jogo dos adiantamentos em dinheiro e carregando o peso esmagador das dívidas no cartão de crédito, tudo se acabou. Mantive meus compromissos com meus clientes, paguei minha dívida e tinha um pouco de dinheiro no banco para ajudar a financiar minha próxima empresa. Fiquei totalmente empolgado e feliz por começar um novo capítulo na minha vida.

Agora, a pergunta de um milhão de dólares: "Eu faria tudo de novo?" Essa é difícil. Depois de pagar minha dívida em 2004, prometi nunca mais me endividar e mantive esse compromisso. Tudo o que fiz desde então foi autofinanciado. Assumir esse risco me permitiu começar. Então, eu faria isso de novo? Sim, faria! Cem entre cem vezes. Eu recomendaria a outras pessoas? De forma alguma!  

Tenha um ótimo dia!

Comentários